home poemese amores desamores vibesetal

O vento

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Ouço o vento.
Ouço a sinfonia de sua brisa.
Ouço teu clamor quando bate com violência 
na janela do meu quarto.
E quando bate na janela da minha alma.
Sinto o vento.
Sinto seu toque repleto de vazio
Sinto sua selvageria 
Sinto suas asas voando em busca do infinito
Em busca do além.
Quero ser como o vento:
Intenso. 
Livre.
Mas ainda sou vento seco.
E frio.



"Às vezes  ouço passar o vento; 
e só de ouvir o vento passar,
 vale a pena ter nascido." 
Fernando Pessoa

Nenhum comentário

Postar um comentário