home poemese amores desamores vibesetal

Imperceptível

segunda-feira, 11 de março de 2013


Talvez você nunca tenha percebido o jeito que eu te olho,
É um jeito diferente do que eu olho para as outras pessoas,

Eu te olho como se meus olhos estivessem pegando fogo,

Eu te olho como se meu coração fosse saltar pela boca,

Eu te olho com uma vontade enlouquecedora de me atirar em seu pescoço.

Talvez você nunca tenha percebido o jeito que eu falo com você,

Eu falo como se fosse me engasgar a qualquer momento,

Eu falo como se minha saliva estivesse doce,

Eu falo projetando para que cada palavra soe gentil.

Talvez você nunca tenha percebido o jeito que eu te toco imperceptivelmente,

Eu te toco como se estivesse tocando uma valsa no piano,

Toco-te como se estivesse acariciando o pelo macio do gato,

Toco-te como se estivesse pintando o pôr-do-sol em uma tela.

Talvez você nunca tenha percebido o jeito que sinto o teu cheiro

Sinto teu cheiro como se fosse o oxigênio vital para minha sobrevivência

Sinto teu cheiro como se fosse o cheiro de um campo de flores exalando perfume

Sinto teu cheiro como se fosse o cheiro de grama recém-cortada, de pão saído do forno, de café sendo coado, de livro novo e de chuva, que são meus cheiros favoritos.

Talvez você nunca tenha percebido o jeito que eu te escuto

Escuto-te como se estivesse escutando o barulho do vento

Ou o barulho das ondas batendo no mar

Escuto-te como se estivesse ouvindo um rock antigo ou uma poesia de Vinícius

Escuto-te como se estivesse escutando uma cantiga de ninar quando criança.

Talvez você nunca tenha percebido o jeito que meu corpo fica quando você está perto,

Minhas mãos suam,

Minhas pernas tremem,

Meus pelos arrepiam

E meu corpo fica inteiramente com febre,

Frenético,

Com vontade de dançar.

Talvez você nunca tenha percebido, mas eu te amo.
E não aguento mais viver sem que você me perceba.


Nenhum comentário

Postar um comentário