home poemese amores desamores vibesetal

trecho de "O Aleph"

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Nunca fui fã do autor Paulo Coelho, mas, sem esperar muita coisa confesso, comecei a ler seu livro "O aleph" que meu tio me emprestou, resultado: adorei! Não vou falar muita coisa do livro, apenas: recomendo.
 Sem mais detalhes,vou colocar um trecho que eu mais amei do livro (que por sinal é lindo demais) Beijos e Leiam "O Aleph"

"Agora eu lhe peço: diga que me ama. Seguro sua mão. Estamos olhando o rio juntos.

- A ausência de resposta também é uma resposta - diz ela. Eu a abraço e coloco sua cabeça no meu ombro.

- Eu te amo. Eu te amo porque todos os amores do mundo são como rios diferentes correndo para um mesmo lago, e ali se encontram e se transformam em um amor único que vira chuva e abençoa a terra.

"Eu te amo como um rio, que cria as condições para que a vegetação e as flores cresçam por onde ele passa. Eu te amo como um rio, que dá de beber a quem tem sede e transporta as pessoas até onde elas querem chegar.

"Eu te amo como um rio, que entende que precisa correr di­ferente em uma cachoeira e aprender a repousar em uma de­pressão do terreno. Eu te amo porque todos nascemos no mesmo lugar, na mesma fonte, que continua nos alimentando sempre com mais água. Assim, quando estamos fracos tudo o que preci­samos fazer é aguardar um pouco. Volta a primavera, as neves do inverno derretem e tornam a nos encher de nova energia.

"Eu te amo como um rio que começa solitário e fraco em uma montanha, aos poucos vai crescendo e se unindo a outros rios que se aproximam até que, a partir de determinado mo­mento, pode contornar qualquer obstáculo para chegar aonde deseja.

"Então, eu recebo seu amor e lhe entrego meu amor. Não o amor de um homem por uma mulher, não o amor de um pai por uma filha, não o amor de Deus por suas criaturas. Mas sim amor sem nome, sem explicação, como um rio que não con­segue explicar o seu percurso, apenas segue adiante. Um amor que não pede e que não dá nada em troca, apenas se mani­festa. Eu nunca serei seu, você nunca será minha, mas mesmo assim posso dizer-, eu te amo, eu te amo, eu te amo."

Paulo Coelho

Nenhum comentário

Postar um comentário