home poemese amores desamores vibesetal

fevereiro

domingo, 27 de fevereiro de 2011

 "Embora não exista o jeito certo… Você vai encontrar o seu jeito, e é ele que importa."

O mês de fevereiro foi cheio de surpresas. Comecei a trabalhar; fiz um teste para um curso de teatro; foi aniversário de uma pessoa especial e querida. Aconteceu tanta coisa e parece ironia ao dizer que o mês mais curto do ano foi tão longo pra mim. Apesar de coisas muito boas e alegres terem acontecido, me sinto como se ainda não fosse o suficiente, eu não esperava nada para esse mês e veio tudo com muito amor até mim que agora tenho a sensação de que nada aconteceu, que foi um mês parado. 
Estava tudo bem, mas nos últimos dias me deparo com aquele velho sentimento de fracasso, de solidão, de vazio. Me senti mais do que nunca, só. Estranho dizer que chorei poucas vezes, e nenhuma vez foi de tristeza, chorei mais por medo, por amor, por desespero e por brigas, porém, menos do que era normal para mim.  Meu coração parecia estar batendo só por bater,  minha mente estava menos sobre carregada. Meus pés doeram muito, encheu de calos e bolhas, pernas cansadas, costas e cabeça frequentemente doloridas. Dor física.
Mas agora sinto uma tristeza que invadiu todo meu coração, que está apertado; minha mente voltou a ficar sobre carregada pelos meus tantos pensamentos que estavam ali, adormecidos. A dor física continua, mas agora com a dor na alma. Uma dor que não sei explicar o porquê, mas que me faz ter vontade de chorar. Seguro o choro. Não quero me deixar levar. Tenho medo. Abraço forte meu travesseiro, converso com Deus, converso com meus heteronimos, com meus fantasmas secretos. Estou aguentando firme em não deixar nenhuma lágrima de tristeza cair, pelo menos não por enquanto, e sem ter um motivo que valha a pena.
Voltei a criar expectativas, voltei a ter apego ,coisas que não são legais para pessoas como eu pois me frusta demais.
A música tem sido meu refúgio e meu bem estar.
E agora estou perdida novamente.



"Às vezes, quase sempre, eu queria ter o teu colo pra me consolar."


Nenhum comentário

Postar um comentário