home poemese amores desamores vibesetal

A chuva

terça-feira, 28 de junho de 2016

Divulgação Tumblr
Estava cansada daquele relacionamento onde sempre deu mais do que recebeu, onde sempre amou mais do que foi amada. Um relacionamento desgastado em que acreditava que algum dia poderia dar certo.
Se não deu certo em três anos, porque seria diferente agora?
Estava cansada de lutar, cansada de correr atrás, cansada de dar uma segunda, terceira, quarta chance...
Sempre teve a mania de achar que as pessoas sem importariam com ela da mesma forma que ela se importava com as pessoas.
Mais uma vez se via perdida. Um abismo entre ela e os outros. Um abismo entre ela e a sua felicidade.
O que era felicidade afinal? Será que algum dia foi realmente feliz?
Hoje era seu aniversário. 25 anos.
Quando a vida começa de fato? Com qual idade se aprende a viver?
Então resolveu que era hora de mudar. Trocar vírgulas por pontos finais. Recomeçar. Ela precisava viver. Precisava de sua liberdade.

“Pra mim chega. Não dá mais”.

Não dava mais para viver mendigando amor.
  
- Por favor, vamos conversar, eu prometo que dessa vez será diferente, não me abandone, eu não sei viver sem você. – Ele disse ao telefone.
Suspirei. Quando aquilo teria um fim?
Ele queria conversar, ok. Vamos conversar.
Fui até o aparamento do meu ex-namorado. Não, eu não ia voltar com ele. Passei dias tomando coragem para terminar, para dizer tudo que estava entalado em mim. Eu não sou tão masoquista assim. Pelo menos não mais.
“Você nunca amor ninguém além de você mesmo” – E era verdade. Ele nunca me amou e isso doía mais do que qualquer pedra no rim ou queimadura de terceiro grau.

É possível reconstruir um coração que foi estilhaçado em mil pedaços? A dor de um coração partido corrói a alma.

Havia um bilhete na porta “Entre sem bater”. Entrei e a luz estava apagada. Ascendi. Quase cai para trás. Congelei.
“SURPRESA” – todos gritaram ao mesmo tempo.
Aquilo era para mim? Não poderia ser!
Eu nunca tive uma festa surpresa antes. Nem de aniversários eu gosto para falar a verdade. E aquelas pessoas? Quem eram aquelas pessoas? Amigos? Poderia contar nos dedos de uma mão quantos deles realmente se importavam comigo. É difícil encontrar amigos verdadeiros hoje em dia, e sinceramente ainda não sei se encontrei os meus.
Vieram em minha direção como abutres vão em direção à carniça.
Senti vontade de correr. Correr sem parar. Correr sem rumo.
Gritar.
Gritar o mais alto que pudesse para que todos soubessem da minha dor.
Minhas pernas não se moviam. Nenhum som saia da minha garganta.
Abraços, beijos, feliz aniversário de todos os lados. Presentes. E ele. Veio em minha direção e me abraçou.
“Parabéns, meu amor” - Desde quando ele me chama de meu amor?
Não. Ele não fez isso. Não pode ter sido ele.
Mas foi. 
Minha cabeça poderia ser comparada a uma panela de pressão. A qualquer momento explodiria.
Eu era bomba atômica ambulante.

Me dei conta de que ali não era mais meu lugar. Não era naquele abraço que eu me sentia em casa. E pela segunda vez no período de dois dias eu pensei em mim em primeiro lugar. Não sorri, não agradeci. Apenas sai correndo daquele santuário de hipocrisia.

~~~~x~~~~

Agradeceu mentalmente por suas pernas finalmente a obedecerem. Correu o mais rádio que conseguiu até chegar a uma praça a alguns quarteirões de onde se encontrava anteriormente.
“25 anos, e agora?” – era a única coisa que conseguia pensar.
Gotas começaram a cair em seu rosto, misturando com as gotas de seu suor. Olhou para cima e viu um céu escuro e carregado. Não havia nenhum tipo de proteção, mas ela não se importava. Sempre sentiu um enorme vazio e deslocamento como se não pertencesse a nada. Como se fosse feita para outro mundo que não esse.
Os respingos começaram a aumentar a intensidade. Em poucos segundos estava coberta das gotas que escorriam por seu corpo, com olhos perdidos no horizonte foi sentindo a chuva aos poucos tomar conta de si até a água inundar por completo. Como em uma dança, a aniversariante abriu seus braços e deixou se embalar pelo ritmo das gotas em seu corpo. Nunca antes havia sentido tal sensação de liberdade.


Em determinado instante silenciou a mente dos barulhos interiores e ficou olhando ao seu redor. Observou as pessoas a sua volta, todas devidamente protegidas em seus guarda-chuvas, em suas capas, embaixo de toldos das lojas. Todos a encaravam. O que será que estavam pensando? Que ela era louca? Que iria pegar uma pneumonia?
Então ela viu um homem de cabelo castanho claro bagunçado, de barba por fazer e olhar penetrante. Quanta intensidade poderia haver em um simples olhar? Não tão simples assim para chamar-lhe a atenção daquela forma tão avassaladora. O olhar daquele homem poderia ser comparado a um oceano de mistérios.
 “Eu adoraria mergulhar e me perder” – Ela não entendeu muito bem o súbito pensamento, mas sorriu interiormente com aquela conexão momentânea.
Assim como não entendeu em que momento deixou de sentir o frio da chuva, para ser agasalhada por uma forte onda de calor percorrendo seu corpo.

Os olhos azul feito o céu de primavera continuava a encarando.
Os olhos castanhos feito folhas secas de outono retribuíram o olhar.

Quando foi que o tempo parou?

Ele não estava embaixo do toldo como os outros, ele estava vulnerável, sem nenhuma proteção, assim como ela.

- Você vai acabar pegando um resfriado se continuar nessa chuva – ele falou se aproximando. Próximo demais. Quente demais.
 Arrepio.
- Posso dizer o mesmo para você.
Ele continuou a encarando como se tentasse desvendá-la Será que ele conseguiria?
A chuva aumentou ainda mais sua intensidade, ficando quase impossível se olharem e se ouvirem.
- Tem uma cafeteria aqui perto, a gente pode ir se secar e tomar um cappuccino – Ele disse quase gritando para ser ouvido por conta da tempestade.
Não pensou. Apenas foi.

~~~~x~~~~

 A cafeteria era quente e aconchegante. Tinham ido ao banheiro tirar o excesso de água e quando voltaram sentaram em uma mesa mais afastada coberta por um plástico para não correr o risco e estragar o estofado. A garçonete serviu os dois cappuccinos.
[...]
- Você dançando na praça... Tão leve e ao mesmo tempo cheia de mistérios e segredos. Acho que ninguém mais percebeu então me sinto como parte desse segredo. Meu e da chuva.
De quantas maneiras possíveis uma pessoa pode ficar sem graça? Aquele homem era real?

Silêncio. Goles de café quente e olhares.

- Eu seria muito intrometido se quisesse saber o te levou a tomar um banho de chuva? Apesar de acreditar que não tenha sido apenas um simples banho de chuva casual.
- Hoje é meu aniversário. – Porque ela se sentia tão à vontade na presença daquele desconhecido, não poderia explicar nem se quisesse...
- Paz interior é um ótimo presente para si mesmo...
- E liberdade também. – Ela completou ainda perplexa.
- Estava se libertando do quê?
- Não do que, mas sim de quem... Meu ex-namorado. E alguns falsos amigos, afinal... Esse aniversário estava sendo uma droga... Até começar a chover.
- Bom, eu desejo que você tenha sempre a quem amar, e mesmo quando estiver cansada, ainda exista amor em você para recomeçar. Aniversário é um bom momento para recomeços.
Ela sorriu. Ele sorriu.


Naquele momento os dois perceberam que queriam ver aqueles sorrisos pra vida inteira. Ainda que uma vida fosse muito pouco.

Ela

terça-feira, 8 de março de 2016

Ela tem essa intensidade em sentir as coisas.
Ela sente com a alma.
Ela é apaixonada pelas coisas simples da vida,
Uma massagem nos ombros depois de passar o dia com a postura errada.
Ela ama pôr do sol e cheiro de chuva.
Anda pelas ruas ao som de Caetano com a brisa em seu rosto,
O toque do vento em seus cabelos.

A lua se tornou sua melhor amiga,
São tão parecidas, pelas fases, pela solidão, pelo brilho. 
Tem essa mania de acreditar nas pessoas, de querer o bem a todos.
Em cima da cama há um apanhador de sonhos
Para protegê-la dos pesadelos,
Mas não o bastante para tirar os fantasmas que habitam o seu ser.
Há demônios dentro dela.
Mas há luz.

Ela acredita em anjos,
Os com e os sem asas.
Ela acredita em milagres, em vida após a morte
E que há mais mistérios entre o céu e a terra do a gente ousa imaginar. 
Tem dias em que ela acorda Amélia,
Já outros em que ela decide ser Capitu.

Tem dias que ela é fada.
Outros, ela é bruxa.
Guarda no coração todas as pessoas que passaram por sua vida
E marcaram de alguma forma. 
Ela vê em seus ídolos esperança, sonhos e fé.
É impulsiva e não gosta de se sentir presa a nada.
A liberdade é algo que preza e a agarra com unhas e dentes.

Ela acredita no amor.
Ela é à flor da pele.
Existem arrependimentos.
Suas escolhas nem sempre são as certas.
É capaz de esperar anos pelo amor verdadeiro,
Pois acredita em almas gêmeas.

Ela quer conhecer o mundo. 
É um tanto viciada em poesia.
Ela é toda poesia.
Ela transborda.
Infinita.

Noites de sonho

sábado, 9 de janeiro de 2016

“Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando”.
(Pablo Neruda)

Há quem diga que todas as noites são de sonhos... Mas não só as de verão. O outono sempre foi uma das estações mais encantadoras para mim. As folhas secas caídas no chão deixando as ruas num tom alaranjado e romântico. Certamente minha estação do ano favorita, apesar de que ultimamente meu coração está vivendo uma intensa primavera, brotando as mais lindas flores depois de um inverno rigoroso.

Acordei e permaneci na cama admirando-o dormir, tão serenamente que acordá-lo seria até pecado. Desde que começamos a “deixar rolar e ver onde isso vai dar” que passamos praticamente todas as noites juntos, mas as noites em si não importam, como diria Shakespeare: o que importa são os sonhos. Quando estou com ele parece um sonho, mesmo estando acordada. Ele me faz querer ser melhor, para mim mesma e para as pessoas ao meu redor. Ele me faz sonhar e acreditar que os sonhos são possíveis.

 Às vezes sinto que não sou merecedora da maneira que ele me olha. Eu já disse o quanto sou apaixonada por aqueles olhos? Primeiro porque me lembram o oceano e segundo que me eles me davam uma segurança que eu nunca tive. Um porto seguro, isso que aqueles azuis intensos me transmitiam. Um sentimento tão forte crescendo dentro de mim e por quem eu menos esperava, confesso. Sinto um pouco de medo dessa relação, um medo de não ter mais ele, de ficar longe, de perder. Pode parecer egoismo da minha parte, e é. Mas em tão pouco tempo se tornou tão essencial na minha vida que sem ele parece que nada mais faz sentido.

Nunca acreditei em destino, mas se ele existe mesmo, não posso negar que estou indo para o caminho certo, ou pelo menos o que me parece ser o certo.

Ele acordou esfregando os olhos por causa da claridade e bocejando, ainda era cedo pra acordar.
- Ei volta a dormir, você só entra mais tarde no trabalho – Falei e dei um selinho de bom dia.
- Você tem que parar de me acordar aos beijos ou eu vou acabar me acostumando e ter que passar o resto da minha vida dormindo ao seu lado só pra ter a melhor sensação do mundo pelas manhãs. – Ele disse sorrindo e acariciando meu rosto com as mãos e eu tive a certeza que sim, estava no caminho certo.
- Não seria nada mal...

Dei mais um selinho nele, mas que se aprofundou em um beijo calmo, mas cheio de desejo. Me permiti deliciá-lo sentindo cada pedacinho daquela boca saborosa que só ele tinha. Suguei seu lábio inferior macio e irresistível o fazendo gemer baixinho. Aquela era a melhor coisa do mundo.  Continuamos a nos beijar até o ar se fazer necessário, em seguida levantei e vesti minha camisola que estava ao pé da cama e fui até a cozinha preparar nosso café da manhã.



[...]



"Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância. O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado” (William Shakespeare , Sonho de uma Noite de Verão).


Minha pequena

domingo, 3 de janeiro de 2016

foto: tumblr
No fundo você sabe pequena: o nosso amor nasceu pra dar certo. Não se desespere, nossa hora ainda vai chegar e seremos felizes. O mundo é tão grande mas ao mesmo tempo tão pequeno perto dos nossos sonhos. Vamos conhecer esse mundão a fora.

Me dê sua mão minha morena dos olhos cor de mel, deixa eu te mostrar as belezas que rodeiam os quatro cantos da terra. Vamos juntos ver o pôr do sol. E mais tarde,  as estrelas, contar a elas nossos desejos mais íntimos, vamos sorrir para a lua.

Moça bonita vamos tomar banho de mar. Vamos deixar que a água salgada renove nossas melhores energias, que as ondas levem embora toda a negatividade para que a gente só atraia sentimentos bons, como paz, amor e esperança.

Que a gente não desista. Nunca.

Vamos casar na praia, vamos dar nomes de anjos aos nossos filhos, vamos transbordar luz por todos os poros do nosso ser.

Deixa eu te amar minha pequena, deixa eu te fazer feliz, deixa eu realizar seus sonhos.
Não solte a minha mão e vem. Vem ser minha.


Eu já sou todo seu.

.

Só vem

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Vem aqui.
Leva embora toda a amargura,
Toda a negatividade e maus presságios.
Que a sua paz transfira para mim por osmose
no momento que você me abraçar.
Me abraça.
Tira todo o pesar,
as injustiças,
os sonhos frustrados.
Seja leve.
Me deixe mais leve.
Quero sentir meu coração sincronizado com o seu
assim como nossas respirações.
Faça de mim alguém que valha a pena
nessa vasta imensidão do universo
Cercado por poeira cósmica e fé.
Vem,
Vem.

Sobre fim de relacionamentos

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Tudo começou quando você me pediu um tempo.
Eu sempre acreditei naquela história que "o tempo cura tudo, até mesmo amores mal resolvidos", mas será que cura mesmo? Acho que não. Aquela outra história que "o tempo só tira o incurável do centro das atenções" faz mais sentido agora.
Você me deixou.
Se eu estou sofrendo por você ter me deixado? É claro que estou. Queria poder dizer que não, que eu segui em frente, que estou indo em bares, baladas e me divertindo todos os dias, mas mentir só vai piorar ainda mais o que estou sentindo. Então quer saber a verdade: eu estou na fossa mesmo, daquelas mais deprimentes possível do tipo assistindo a séries no netflix com um pote de sorvete de chocolate e chorando, chorando muito. Essa é a verdade, a mais crua e nua verdade.
Ainda não consigo acreditar que isso está acontecendo, eu pensava que viveríamos juntos por muitos anos e até cheguei a cogitar a gente se casando, construindo uma família e tendo filhos. É, eu sou uma inocente iludida.
Ninguém quer levar um pé na bunda né? Todo mundo sempre quer ser o que dá o fora, agora eu entendo: é porque dói, dói muito, no fundo da alma. Chega a ser dor física, como se o coração estivesse mesmo aos pedaços, e está.
Preciso ser honesta e assumir que me traio diariamente te procurando por todos os lugares. Em todos os filmes e músicas de amor. Eu tento encontrar um sentido para tudo isso. Qual o sentido de você ter me deixado, por que você não me ama mais? É tão difícil de entender. Não é possível que com tanta energia reagindo por aí, meu desespero não seja capaz de te alcançar nem por um segundo sequer. Será que você ainda lembra de nós? Será que ainda me acha bonita? Você está tão longe, tão inalcançável, nem sei por que ainda tem tanto domínio sobre mim.
Que merda! Que grande e indiscutível merda.
Não sei se você está bem, mas quer saber? Eu não estou nada bem. Estou morrendo de tédio de todas as pessoas tentando me consolar, me chamando pra sair, como se shots de tequila resolvesse o problema. Até resolve no momento, mas a ressaca no outro dia vem com a verdade: que não estamos mais juntos, que nada tem mais graça sem você.
Queria poder te desejar tudo de bom, que você seja feliz, mas eu não consigo. Eu só quero te desejar todo o mal do mundo, que você sofra como eu estou sofrendo e que morra de tédio e não se diverta mais quando como estava comigo, eu desejo também que você fique feio, muito feio, que você engorde e fique careca e que nunca encontre alguém que te ame como eu te amei.
Se eu estou sendo imatura? Pode ser. Mas eu estou com raiva de você e enquanto eu permanecer assim, é isso que eu te desejo, porque ninguém é obrigado a querer o bem de quem nos magoou, pelo menos não agora.
Não quero mais a realidade para me atormentar. Mas hoje, só por hoje, eu vou derramar cada gota da dor que ainda resta por aqui. 
Enquanto ao tempo? Que ele faça seu papel de tirar você do centro da minha atenção.



O vento

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Ouço o vento.
Ouço a sinfonia de sua brisa.
Ouço teu clamor quando bate com violência 
na janela do meu quarto.
E quando bate na janela da minha alma.
Sinto o vento.
Sinto seu toque repleto de vazio
Sinto sua selvageria 
Sinto suas asas voando em busca do infinito
Em busca do além.
Quero ser como o vento:
Intenso. 
Livre.
Mas ainda sou vento seco.
E frio.



"Às vezes  ouço passar o vento; 
e só de ouvir o vento passar,
 vale a pena ter nascido." 
Fernando Pessoa

O dia que você se foi

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Às vezes tenho vontade voltar no tempo, reviver momentos, reencontrar amigos, mudar arrependimentos... Mas não tenho vontade de voltar para esse dia. O dia que você se foi. 
Eu acho muito difícil ficar com alguém sem um mínimo de atração.  E eu não me vejo namorando alguém sem paixão, sem sintonia. E olha que eu nem citei amor. 
Acho que amor a gente conquista aos poucos, não é relâmpago, não é a primeira vista. Amor tem que ser cultivado, tem que regar, cuidar, adubar, tem que deixar criar raízes, deixar brotar, deixar crescer. 
Amor se conquista, não dá pra colher ele verde, tem que amadurecer. 
E foi assim com a gente. Você me conquistou aos poucos, devagar fui me aproximando, me apaixonando, quando dei conta, quando estava começando a descobrir, você se foi.
Não sei se você volta. Não sei o que esperar desse sentimento. Mas quero poder estar ao seu lado, quero que a gente de certo. Será que é assim mesmo o amor? Não sei. 
A gente passa muito tempo atrás do amor dos livros de Shakespeare, do amor dos poemas de Vinícius e do amor das musicas de Caetano. Do amor que faz o coração bater mais forte, as pernas tremerem e os pelos arrepiarem. 
A gente passa tempo demais procurando esse amor que nem se dá conta que ele estava ao nosso lado o tempo todo, bem perto... e a gente ignora. Eu ignorei.
Você me cativou, me adubou, regou, e quando estava começando a crescer, você podou, cortou o caule e se foi.
Mas agora já é tarde. Você se foi.  
Você se foi e me deixou o medo, a insegurança, o vazio, o arrependimento.
Se algum dia você voltar, saiba que ainda existe uma semente desse amor, e que ela é sua. Sempre foi. Sempre será.


Mistérios entre o céu e a terra

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Encontrei na geografia todo misticismo
quando viajei no infinito de seu espaço sideral.
Vi em seu olhar minucioso estrelas
que me conduziram pelas estradas
do seu mapa astral
ao abismo de um coração
sedento de amor.
E senti medo.
Até ler na palma da sua mão toda a beleza do universo
que conspira a favor dos bons
e humildes de coração.
Você trouxe minha paz
minha tranquilidade
minha leveza
o yin para equilibrar
 meu yang.

Agora a lua pairou em Vênus
e nosso zodíaco
já não combina mais.

Ah, meu amor se você soubesse
o bem que me faz!

Mas há uma escorpiana dentro de mim
cheia de mistérios
cheia de desejos.
E eu já não sei mais
se você é capaz de lidar.









terça-feira, 7 de abril de 2015

Me afoguei na cordilheira de seus beijos
enquanto perdia minha capacidade de respirar
por novos ares do amor
Transformei em sinfonia o som de seu timbre
Você me dá calafrios!
Toca a melodia na vitrola
e nossos passos se cruzam
enquanto dançamos
esquizofrenicamente
E cruzam-se também nossas
Respirações.
Mas nossas vidas não se cruzam mais
Frenéticas
e
Intensas
Lutando para se recompor do último ato
dos nossos passos
e num doce infinito, nos perdemos
Despedaçados.
Tentando juntar os cacos do caos mental que habita
nas loucuras que é
não saber:
O que fazer
Nem quando
Nem onde
Nem por que
Apenas,
nos permitindo
mais uma dança.

"Causador da minha insônia, que faz tudo errado sempre..."

domingo, 10 de novembro de 2013

Tenho tanto medo de te perder um dia pelo simples fato de já estar tão acostumada com a sua presença constante me invadindo todas as noites vazias e solitárias. É tão estranha a forma como você entrou na minha vida, nem sei ao certo quando, onde e porquê. Mas você entrou, de mansinho, assim como quem não quer nada, pequeno e sem importância, como uma forma de distração, uma fuga da realidade, ou até mesmo uma espécie de universo paralelo, e agora olha só para você, olha no que se tornou, ou melhor, em que você me tornou! Como pude ser tão fraca a ponto de permitir que você se transformasse em algo tão gigantesco e avassalador, que me invade, me sufoca e me transborda. Eu me tornei uma viciada, como se vicia na pior droga que possa existir, mas ironia ou não esse vicio é que me cura todos os dias. Nos tornamos um. Um corpo, um espírito que busca o além, que busca o inexplicável, o infinito! 
De todas as perguntas que existe no universo, você é a minha maior interrogação. Será que algum dia vou aprender a viver sem você? Ou será que outro alguém vai ocupar seu lugar, assim como você ocupou o lugar de tantos outros? Espero que esse dia chegue e eu encontre todas as respostas, mas enquanto não chega, vem aqui ser meu mais uma noite. "Hoje só tua presença vai me deixar feliz, só hoje".



Fotografias

domingo, 8 de setembro de 2013



Sinto-me triste e deprimida. Reviro  pastas e mais pastas a procura de fotografias antigas, de momentos felizes que marcaram minha vida, e de repente me surpreendo comigo mesma quando me pego sorrindo olhando para essas fotos... Amigos, passeios, viagens, ensino médio, ídolos e até mesmo desconhecidos que estava ali no momento do flash. E sinto-me melhor, pois não importa quanto tempo passe eu tenho minha vida inteira guardada não só na memoria, mas também em pedaços de papel. E é isso que mais me fascina nas fotografias, que além de parar o tempo pra guardar um pedacinho dos momentos e das pessoas, elas me  fazem ver que apesar dos dias tristes e deprimidos que dá vontade de sumir, eu sou  cheia de recordações de dias felizes, e que minha vida é e sempre foi maravilhosa.

"Só os bons momentos são fotografados e só eles devem ser relembrados e quem sabe um dia, revividos".

Um pouco de solidão não faz mal a ninguém

quarta-feira, 20 de março de 2013



Uma parte de mim é solidão. Não a solidão do abandono, mas a solidão de estado físico. Não me sinto sozinha no meio da multidão. Eu estou sozinha. Aqui, e agora, com você ou com vários ao redor. Solidão no ser.  Mas não pense que isso é ruim, todo mundo é sozinho no mundo, mesmo que não queira admitir.

Sempre me imaginei com trinta anos morando sozinha num apartamento com tudo que eu gosto ao redor: um pouco de bagunça, livros, música, filmes, quadros, antiguidades, fotografias e velas, muitas velas. E ao entrar em casa sentiria cheiro de café e pão de queijo.

Também nunca tive o sonho de casar, gosto dessa liberdade de não ter que dividir espaço na geladeira e na cama. Uma típica mulher de 30 anos que faz sexo casual quando e onde bem entender. Sem ter que dar muitas satisfações. Que anda de metrô, que vai ao teatro toda semana assistir aquelas peças com oito ou nove pessoas na platéia. Que senta no banco no parque só para observar as pessoas que por ali passam e ficar imaginando com é a vida daquelas pessoas, o que elas pensam, em que elas trabalham...

É essa a minha solidão. Sentada em uma cafeteria checando os e-mails ou lendo revistas de moda. Viajando por ai sem destino, apenas descobrindo novas possibilidades de me  sentir bem  comigo mesma.